Você também pode mudar esta história e fazer parte dela!

21/11/2012 11:30

Escrita por: Pollyana Silva

Fotos: Reprodução

     Rafaela Costa Fornaciari ainda não tem dois anos de idade, porém já vive uma grande jornada com sua mãe Nilza Fornaciari. A pequena garotinha luta contra a Leucemia, que foi diagnosticada há menos de um ano e agora tem que fazer tratamento de quimioterapia.

     De acordo com a família, Rafaela começou a ter algumas manchas pelo corpo, a princípio apenas marcas normais como uma típica alergia do calor. Com o passar o tempo os sinais não desapareceram e em uma visita de rotina ao médico foram realizados alguns exames que constataram um número muito baixo das plaquetas no sangue. Com a realização de mais exames foi diagnosticado a necessidade de que em algum momento da vida da garota seria necessário o transplante de medula.

     De novembro a maio de 2012, Rafaela fez o tratamento para estabilizar o número de plaquetas. Em quanto isso toda a família foi submetida a testes de compatibilidade para um suposto transplante quando fosse necessário. Infelizmente parentes e amigos não foram aprovados nos exames, o que se transformou em uma corrida contra o tempo já que desde setembro desde ano foi constatado a necessidade de uma nova medula para a menina.

   Atualmente a pequena Rafaela faz tratamento com um pediatra especializado em medula óssea em Belo Horizonte, Minas Gerais. Já foi preciso ficar internada cerca de quarenta dias para o tratamento, e de acordo com os familiares ela passou por algumas sessões de quimioterapia, mas se recupera bem.

     A família faz um apelo à população para que as pessoas possam se cadastrar como doadores de medula óssea, por que assim a possibilidade de encontrar um doador para Rafaela e maior ainda. "Basta ir ao hemocentro e se cadastrar, você pode ter a oportunidade de ajudar não só a Rafaela, mas a muitas pessoas que estão na fila de espera”, relata Pollyana, tia da garota.

 

 

Mas como funciona o cadastro e doação de Medula Óssea?

     A pessoa que deseja ser uma doadora basta ir até o Hemocentro mais próximo e se cadastrar. Durante o procedimento e preenchido um formulário e retirado a quantidade de 5 ml de sangue, este material será analisado e vai determinar as características específicas daquela pessoa, sobre que tipo de doador em potencial ela será.

     A chance de encontrar um doador compatível e de uma para cada cem mil, por isso a necessidade do cadastro, também chamado de Registros de Doadores Voluntários de Medula Óssea, Redome. O Brasil passou a ser o terceiro maior banco de dados do mundo perdendo apenas para os Estados Unidos e a Alemanha.

    Em relação à seleção, se a pessoa for realmente combatível ela passara por uma série de exames e só depois de uma avaliação rigorosa dos médicos e que ela será liberada para o transplante. O risco para o doador e pequena, o indivíduo fará a doação de apenas 10% da sua medula e em poucas semanas ela será recomposta pelo organismo.

 

SAIBA MAIS:

Perguntas e resposta sobre a doação de medula óssea:

http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=125

Uma conversa sobre:

http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/doacao-de-medula-ossea/

Tópico: Deixe sua duvida ou recado aqui.

Nenhum comentário foi encontrado.
 

© K Entre Nós Jornalismo UNIPAM. Tem todos os Direitos reservados.

Crie um site gratuitoWebnode